quarta-feira, 21 de setembro de 2016

RESPOSTA EXERCÍCIOS DE ORAÇÕES ADVERBIAIS – 3º TRIMESTRE-16

RESPOSTA EXERCÍCIOS DE ORAÇÕES ADVERBIAIS – 3º TRIMESTRE-16

1. O amor não só traz alegria como também alimenta. Neste período, a conjunção é:
a) subordinativa causal;
b) coordenativa aditiva;
c) coordenativa conclusiva;
d) subordinativa comparativa;
e) conformativa.

2. Assinale a oração em que a substituição da expressão grifada altera sensivelmente o sentido do enunciado:
a) “em lugar de nos conduzirem a desejável autonomia.” / em vez de;
b) “eliminando, assim, seus talentos de processo...” / com isso;
c) “embora muitos estudiosos defendam que a característica...” / conquanto;
d) “pois toda preocupação intelectual do homem não deixa de ser... “ / logo;
e) “no entanto, por causa da situação de dependência cultural ... “ / todavia.

3. No período - “E quanto mais andava mais tinha vontade”, ocorre ideia de proporção.
Assinale a opção em que tal ideia NÃO ocorre:
a) quanto mais leio este autor menos o entendo;
b) choveu tanto, que não pudemos sair;
c) à medida que corria o ano, o nosso trabalho era maior;
d) quanto menos vontade, mais negligência;
e) quanto mais se lê, mais se aprende.

4. Neste caso a oração: “Embora ela tivesse sido alta e clara”, exprime:
a) causa;
b) condição;
c) concessão;
d) finalidade;
e) consequência.

5.  “Hoje, a dependência operacional está reduzida, uma vez que o Brasil adquiriu autossuficiência na produção de bens como papel-imprensa (...)” A oração grifada no período acima tem valor:
a) condicional;
b) conclusivo;
c) concessivo;
d) conformativo;
e) causal.

6. “(...) fi-la construir de propósito, levado de um desejo tão particular que me vexa imprimi-lo, mas vá lá.” O vocábulo sublinhado introduz oração que denota:
a) tempo;
b) causa;
c) condição;
d) comparação;
e) consequência.

7. “Tal era a fúria dos ventos, que as copas das árvores beijavam o chão.” Neste período, a oração subordinada é adverbial:
a) concessiva;
b) condicional;
c) consecutiva;
d) proporcional;
e) final.

8. (Of.Just./SP) A opção em que a oração subordinada pode ser considerada adverbial condicional é:
a) Desde que o vi, me apaixonei.
b) Desde que tenho muito trabalho hoje, não poderei sair.
c) Permanecerei aqui, desde que você permaneça.
d) Diga-me se a proposta lhe interessa.
e) Falou sem que nos convencesse.

9. Em todos os períodos há oração adverbial, exceto em:
a) “Mexia-me como se andasse entre cacos de vidro”.
b) O horizonte, ao passo que avanço, vai se afastando.
c) O fardo era tão pesado que eu não podia erguê-lo.
d) Desde que cheguei aqui, não houve nenhum progresso.
e) Verifiquei se havia alguma infiltração no teto da casa. Oração subordinada substantiva objetiva direta

10. Considere certa ou errada a classificação das orações subordinadas adverbiais
a) “Nunca chegará ao fim por mais depressa que ande.” (oração subordinada adverbial consecutiva) Errado (oração subordinada adverbial concessiva).
b) “Era tal a serenidade da tarde que se percebia o sino de uma freguesia distante, dobrando a finados.” (oração subordinada adverbial consecutiva). Certo.
c) Mesmo que faça calor, não poderemos nadar. (oração subordinada adverbial concessiva) Certo
d) Ela era tão medrosa, que não saía de casa. (oração subordinada adverbial comparativa) Errado (oração subordinada adverbial consecutiva).
e) Se tudo correr bem, levar-te-ei à Europa. (oração subordinada adverbial condicional) Certo

11. (ICMS/SP) Assinale a alternativa em que as orações grifadas nos períodos I e II desempenham a mesma função sintática. (Trechos de A Hora da Estrela, de Clarice Lispector.)
I e II apresentam oração subordinada adverbial concessiva.
a) I – Não sei se estava tuberculosa, acho que não. subordinada substantiva objetiva direta
II – Se é pobre, não estará me lendo porque ler me à supérfluo... subordinada adverbial condicional
b) I – A moça um dia viu num botequim um homem tão, tão, tão bonito que – que queria tê-lo em casa. subordinada adverbial consecutiva
II – Encontrar-se comigo próprio era um bem que ela até então não conhecia. subordinada adjetiva restritiva
c) I – E minha vida (...) responde que devo lutar com quem se afoga, mesmo que eu morra depois.
II – Cristo tinha sido além de santo um homem como ele, embora sem dente de ouro.
d) I – Nunca se perguntara por que colocava a barra embaixo. subordinada substantiva objetiva direta
II – Eu só não digo palavrões grossos porque você é moça donzela. subordinada adverbial causal
e) I – Sei que há moças que vendem o corpo, única posse real, em troca de um bom jantar em vez
de um sanduíche de mortadela. subordinada adjetiva restritiva
II – Depois que Olímpico a despediu, já que ela não era uma pessoa triste, procurou continuar. subordinada adverbial causal

12. Classifique como certa a alternativa em que a palavra como assume valor de conjunção subordinada conformativa e errada a alternativa em que isto não ocorre:
a) Como ele mesmo afirmou, viveu sempre tropeçando nos embrulhos da vida! Certo
b) Como não tivesse condições necessárias para competir, participou, com muita insegurança, das atividades esportivas. Errado (oração subordinada adverbial causal).
c) Como as leis eram taxativas naquele vilarejo, todos os moradores tentavam um meio de obediência às normas morais. Errado (oração subordinada adverbial causal).
d) Como diziam os mais velhos, beleza não se põe na mesa. Certo.
e) As frustrações caminham rápidas como as tempestades das matas devastadoras. Errado (oração subordinada adverbial comparativa).

OBS: Não confundir oração subordinada adverbial com oração coordenada faz-se o teste da inversão. Se tiver o mesmo sentido é oração subordinada adverbial. Se tiver sentido diferente é oração coordenada.
Ex:
Jogamos bem, mas perdemos.
Mas perdemos, jogamos bem (sem sentido= oração coordenada)
Perdemos, embora tenhamos jogado muito.
Embora tenhamos jogado muito, perdemos (com sentido = oração subordinada adverbial. Neste caso é concessiva))

13. (Turismo Morumbi-SP) Classifique a oração destacada: Não és mais prudente que eu:
a) subordinada adverbial final.
b) subordinada adverbial concessiva.
c) subordinada adverbial consecutiva.
d) subordinada adverbial comparativa.
e) subordinada substantiva subjetiva.

14. (Turismo Morumbi-SP) Fiz lhe sinal que se calasse. A oração destacada classifica-se como:
a) subordinada adverbial final.
b) subordinada adverbial concessiva.
c) subordinada adverbial consecutiva.
d) subordinada adverbial comparativa.
e) subordinada substantiva subjetiva.

15. (EFOA-MG) "Quando vejo certos colegas mostrando com orgulho aquela rodela imbecil no pescoço..."
O período que apresenta uma oração com a mesma classificação da sublinhada na citação acima é:
a) "Mal o sol fugia, começavam as toadas das cantigas."
b) "Caso o encontre, dê lhe o recado."
c) "Dado que a polícia vinha, prenderemos o assassino."
d) "Uma vez que cheguem os reforços, atacaremos a praça."
e) "Contar-lhe-ei o caso, conquanto você guarde segredo."

16. (ITA-SP) Em qual dos períodos abaixo há uma oração adverbial que expressa ideia de concessão?
a) Diz-se que a obra de arte é aberta; possibilita, portanto, várias leituras.
b) Pode criticar, desde que fundamente sua crítica em argumentos.
c) Tamanhas são as exigências da pesquisa científica, que muitos desistem de realiza-la.
d) Os animais devem ser adestrados, ao passo que os seres humanos devem ser educados, visto que possuem a faculdade da inteligência.
e) Não obstante haja concluído dois cursos superiores, é incapaz de redigir uma carta.

17. (EU Ponta Grossa-PR) Em: "O moço ficou tão emocionado que chorou", a segunda oração é subordinada adverbial:
a) comparativa;
b) proporcional;
c) consecutiva;
d) causal;
e) temporal.

18. (Cásper Líbero-SP) "Já que não pude ser feliz, busquei a companhia dessas aves que nasceram livres." Neste período há:
a) subordinada adverbial causal e subordinada adjetiva;
b) subordinada adverbial concessiva e subordinada adverbial consecutiva;
c) subordinada substantiva objetiva direta e subordinada adjetiva;
d) subordinada substantiva objetiva direta e coordenada sindética adversativa;

19. (UFV-MG) "Um dia, como lhe dissesse que iam dar o passarinho, caso continuasse a comportar-se mal, correu para a área e abriu a porta da gaiola." (Paulo Mendes Campos)
As orações destacadas são, respectivamente, subordinadas adverbiais:
a) causal e condicional;
b) comparativa e causal;
c) condicional e concessiva;
d) conformativa e consecutiva;
e) comparativa e conformativa;

20. (UM-SP) Assinale a alternativa em que a palavra como assuma valor de conjunção subordinada conformativa:

a) Como ele mesmo afirmou, viveu sempre tropeçando nos embrulhos da vida.
b) Como não tivesse condições necessárias para competir, participou, com muita insegurança, das atividades esportivas.
c) As frustrações caminham rápidas como as tempestades das matas devastadoras.
d) Indaguei-lhe apreensiva como papai tinha assumido aquela contínua postura de contemplação.
e) Como as leis eram taxativas naquele vilarejo, todos os moradores tentavam um meio de obediência às normas morais.

21. (FUVEST-SP) "(TIM) foi um técnico de sucesso, mas nunca conseguiu uma reputação no campo à altura da sua reputação de vestiário."
Começando a frase por "Nunca conseguiu uma reputação no campo à altura da sua reputação de vestiário", para manter a mesma relação lógica expressa na frase dada inicialmente, deve-se continuar com:
a) enquanto foi...
b) na medida em que foi...
c) ainda que tenha sido...
d) desde que fosse...
e) porquanto era...

22. (Tibiraça-SP) Classifique as orações destacadas:
I. "Embora lhe desaprovassem a forma, justificavam-lhe a essência."
II. "A estrela que nasce tinha tanta beleza que voluntariamente a elegeu minha sorte."
III. "Naquela noite, ele disse a todos que desejava que fosses feliz."

a) oração subordinada adverbial conformativa, oração subordinada adjetiva restritiva, oração subordinada adjetiva explicativa.
b) oração subordinada adverbial conformativa, oração subordinada adjetiva restritiva, oração subordinada adjetiva explicativa.
c) oração subordinada adverbial concessiva, oração subordinada adverbial consecutiva, oração subordinada substantiva objetiva direta.
d) oração subordinada adverbial concessiva, oração subordinada adjetiva explicativa, oração subordinada adjetiva explicativa.
e) oração subordinada adverbial consecutiva, oração subordinada objetiva direta, oração subordinada adjetiva explicativa.


terça-feira, 6 de setembro de 2016

EXERCÍCIOS SOBRE A FUNÇÃO DO “QUE” – PROFª MARIZA – 3ºS ANOS – 2016

EXERCÍCIOS SOBRE A FUNÇÃO DO “QUE” – PROFª MARIZA – 3ºS ANOS – 2016

1 - “Nos perigos grandes, o temor é maior muitas vezes que o perigo”. A palavra destacada é:
a – (    ) conjunção subordinativa consecutiva
b – (    ) pronome interrogativo
c – (    ) pronome relativo
d – (    ) conjunção subordinativa comparativa 

2 - (UF-SC) No período "Avistou o pai, que caminhava para a lavoura", a palavra que classifica-se morfologicamente como:
a) conjunção subordinativa integrante
b) pronome relativo
c) conjunção subordinativa final
d) partícula expletiva
e) conjunção subordinativa causal

3 - Observe a palavra sublinhada: "Quem diz o que quer ouve o que não quer." A função sintática dela é:
a) sujeito
b) complemento nominal
c) partícula expletiva
d) predicativo
e) objeto direto

4 - (UM-SP) "Ó tu / Que és presidente / Do Conselho Municipal / Se é que tens mulher e filhos, / Manda tapar os buracos da / Rua dos Junquilhos. (Artur Azevedo). A palavra que aparece duas vezes no texto com a seguinte classificação morfológica, respectivamente:
a) pronome relativo e partícula expletiva
b) partícula expletiva e pronome relativo
c) pronome relativo e conjunção integrante
d) conjunção integrante e pronome relativo
e) partícula expletiva e conjunção integrante

5. (UFSCAR) O que não é pronome relativo na opção:
a) Não há mina de água que não o chame pelo nome, com arrulhos de namorada.
b) Não há porteira de curral que não se ria para ele, com risadinha asmática de velha regateira.
c) "Me espere em casa, que eu ainda vou dar uma espiada na novilhada parida da vereda."
d) "Tenho uma corrente de prata lá em casa que anda atrás de uma trenheira destas para pendurar na ponta."
e) "Quem seria aquele sujeito que estava de pé, encostado ao balcão, todo importante no terno de casimira?"

6. (FEI-SP) Em "Usando do direito que lhe confere a Constituição", as palavras grifadas exercem a função, respectivamente, de:
a) objeto direto e objeto direto
b) sujeito e objeto indireto
c) objeto indireto e sujeito
d) sujeito e sujeito
e) objeto direto e objeto indireto

7. (UFE-PA) No trecho "Cecília... viu do lado oposto do rochedo Peri, que a olhava com uma admiração ardente", a oração grifada expressa uma:
a) causa
b) oposição
c) condição
 d) lugar
e) explicação

8. (UE-BA) Meu pai, que havia arrancado três dentes, não pôde viajar naquele dia. A oração grifada classifica-se como subordinada:
a) adverbial temporal
b) substantiva predicativa
c) adjetiva restritiva
d) substantiva apositiva
e) adjetiva explicativa

9. (UC-MG) A classificação da oração grifada está correta em todas as opções, exceto em:
a) Ela sabia que ele estava fazendo o certo - subordinada substantiva objetiva indireta
b) Era a primeira vez que ficava assim tão perto de uma mulher - subordinada substantiva subjetiva (ideia de tempo)
c) Mas não estava neles modificar um namoro que nascera difícil, cercado, travado - subordinada adjetiva. Certa – namoro difícil
d) O momento foi tão intenso que ele teve medo - subordinada adverbial consecutiva
e) Solta que você está me machucando - coordenada sindética explicativa

10. A função sintática do Que em "Que existe entre o meu desejo" é:
a) objeto direto                                              d) adjunto adverbial
b) objeto indireto                                           e) sujeito
c) predicativo do sujeito

11. Na relação estabelecida pelo que em "menos longe que o estirão", o valor semântico da conjunção é de:
a) causalidade                                   d) explicação
b) comparação                                  e) modo
c) condição


12.  (MACK) "A reação do adversário foi tamanha que assustou o campeão." A oração em destaque é:
a) subordinada adverbial causal
b) coordenada sindética explicativa
c) subordinada adverbial consecutiva
d) subordinada adverbial concessiva
e) subordinada adjetiva explicativa

13. (LICEU) Na frase "A verdade é que só em abstrato me havia queixado de baratas, que nem minhas eram...", o que assume as respectivas funções de:
a) conjunção integrante, conjunção integrante.
b) pronome relativo, conjunção integrante.
c) conjunção integrante, pronome relativo.
d) pronome relativo, pronome relativo.
e) partícula expletiva, conjunção integrante.






AS FUNÇÕES DA PARTÍCULA “SE”

AS FUNÇÕES DA PARTÍCULA “SE”

1- Conjunção:
a) Conjunção subordinativa integrante: a conjunção introduz orações subordinadas substantivas (subjetiva, objetiva direta etc.). Exprime sentido de condição. Exemplos:
Quero saber se ela virá à festa.
Ninguém sabe se ele venceu a partida.
Não sei se tudo isso vale a pena.
Não sei se fico, não sei se vou. Gostaria de saber se ela ainda me quer.
Avise-me se ela um dia despencar do céu.

b) Conjunção subordinativa condicional: introduz orações subordinadas adverbiais condicionais. Exemplos:
Deixe um recado se você não me encontrar.
Se quiser ganhar melhor, trabalhe um pouco mais.
Se não chover, partiremos à tarde.
O material será devolvido se você quiser.
Se a juventude soubesse, erraria menos; se a velhice pudesse, erraria mais.

c) Conjunção subordinada causal: tem sentido de “visto que”, “já que”. Exemplo:
Como você disse que eu iria, se sabia que não era verdade?

d) Conjunção coordenativa
Equivale a "ou... ou,", "quer... quer" ou "seja... seja".
Se queremos, se não queremos nos finaremos como todo ser vivo.
Se vote, se não vote, você estará mal representado.
Se no começo, se no fim das explicações, o uso do hífen continua confuso.

2- Pronome:
a) Pronome reflexivo: quando o sujeito praticar a ação sobre si mesmo; funciona como objeto direto, objeto indireto e sujeito do infinitivo. É substituível por: a si mesmo, a si próprio etc.
Exemplos:
A criança machucou-se. (objeto direto)
Carlos machucou-se, ao pular o muro.
O lenhador machucou-se com a foice.
Localize-se no mapa.
Ela machucou-se com o canivete do pai.
Ela se vangloria demais.

b) Pronome recíproco: tem sentido da expressão “um ao outro”. Exemplo:
As meninas deram-se as mãos com muito carinho.
Pai e filho abraçaram-se emocionados.
Amigo e amiga deram-se as mão afetuosamente.
Carlos e Fabiane amam-se.

c) Pronome apassivador ou Partícula apassivadora: quando se liga a verbos transitivos diretos com a intenção de apassivá-los. Exemplo:
Formaram-se vários times. (Vários times foram formados).
Contaram-se histórias estranhas. (Histórias estranhas são contadas)
Reformam-se móveis velhos. (Móveis velhos são reformados.)
Entregou-se o prêmio ao aluno que obteve a melhor nota. (O prêmio foi entregue ao aluno que obteve a melhor nota.)
Alugam-se barcos. (Barcos são alugados).

h) Pronome de realce ou Partícula expletiva: acompanham verbos de movimento ou que exprimem ações do corpo da própria pessoa. (ir-se, chegar-se, rir-se, sorrir-se, passar-se, sentar-se, etc.). Não desempenha nenhuma função sintática ao se associar a verbos. O pronome se será partícula expletiva, quando acompanhar verbo intransitivo, com sujeito claro ou oculto. Outros pronomes oblíquos átonos – me, te, nos, vos – também podem ser partícula expletiva. Exemplos:
Passaram-se poucos minutos da sua partida.
Foi-se o tempo em que não preocupávamos com nossos filhos.
Ele acabou de sentar-se.
Murcham-se as flores. O verbo é "murchar", não-pronominal e intransitivo, com sujeito claro.
Eu me morro de tristeza, vivendo sem você. O verbo é "morrer", não-pronominal e intransitivo, com sujeito claro.
Acabou-se a confiança no próximo.
Lá se vai mais um caminhão de verduras.


3- Índice de indeterminação do sujeito: quando se liga a verbos preposicionados com o papel de indeterminar o sujeito. Não possui função sintática, acompanha verbos que não admitem voz passiva. Esse tipo de oração não admite a passagem para a voz passiva analítica e o verbo estará sempre na 3º pessoa do singular. O pronome se será índice de indeterminação do sujeito, quando acompanhar:
- verbo transitivo indireto com objeto indireto,
- verbo de ligação com predicativo do sujeito,
- verbo intransitivo sem sujeito claro ou verbo transitivo direto com o elemento paciente preposicionado; nesse caso, o elemento paciente será denominado objeto direto preposicionado. Os verbos devem ficar na terceira pessoa do singular. Exemplo:
Discorda-se do fato.
Aspira-se uma vida melhor no futuro.
Precisa-se de rapazes. O verbo "precisar" é transitivo indireto (quem precisa, precisa de algo) com objeto indireto (rapazes).
Aqui se é feliz. O verbo "ser" é verbo de ligação com predicativo do sujeito (feliz).
Morre-se de amores. O verbo "morrer" é intransitivo (quem morre, morre) sem sujeito claro.
Ama-se a Deus. O verbo "amar" é transitivo direto com o elemento paciente preposicionado.
Vive-se bem naquele país.
Precisava-se de novas fontes de riquezas.

Partícula integrante do verbo: ligada a verbos pronominais.
Ela não cansa de queixar-se.
O pronome se será partícula integrante de verbos, quando fizer parte de um verbo pronominal. Outros pronomes oblíquos átonos – me, te, nos, vos – também podem ser partícula integrante do verbo. Ex.:
Feliciano suicidou-se. Não existe o verbo "suicidar", e sim o verbo "suicidar-se"; o pronome faz parte do verbo.
Queixei-me do zelador ao síndico. Não existe o verbo "queixar", e sim o verbo "queixar-se"; o pronome faz parte do verbo.

Marina Cabral - Equipe Brasil Escola
DÍLSON CATARINO

http://www.aridesa.com.br/servicos/click_professor/carlos_tavares/resumos/estudo_das_palavras_que_se.pdf

FUNÇÕES DAS PALAVRAS “QUE”

FUNÇÕES DAS PALAVRAS “QUE”
1-A PALAVRA QUE
A)    FUNÇÕES MORFOLÓGICAS
São as funções que a palavra exerce de acordo com a classe gramatical em que é usada na frase.
1-SUBSTANTIVO - Significando “alguma coisa,” (precedido de artigo, adjetivo, pronome...).
Ex.: Ela tem um quê de misterioso. Havia um certo quê no ar.

2-PREPOSIÇÃO – Em lugar de “de”, geralmente entre dois verbos.
Ex.: Tenho que sair.

3-INTERJEIÇÃO – Indicando emoção, sentimento.
Ex. Quê! Você ainda não terminou o trabalho?

4-PARTÍCULA EXPLETIVA OU DE REALCE – Pode ser retirada da frase.
Ex.: Quase que não consigo terminar o trabalho.

5-ADVÉRBIO – Acompanhando adjetivo ou advérbio para dar intensidade (muito).
Ex.:Que lindas são aquelas crianças! Que longe é a tua casa!

6--PRONOME RELATIVO - Pode ser trocado por “o qual” (ou variações).
Ex.: Não encontramos as pessoas que saíram há pouco. (as quais saíram...)

7-PRONOME INDEFINIDO SUBSTANTIVO - Significando “ que coisa”.
Ex.: Que não faria eu por você.

8-PRONOME INDEFINIDO ADJETIVO - Acompanhando substantivo e significando “quanto”.
Ex.: Que dinheiro gasto à toa! Que coisa feia você fez!

9-PRONOME INTERROGATIVO SUBSTANTIVO - Usado em perguntas.
Ex.: Que houve com você? Você precisa de quê?

10-PRONOME INTERROGATIVO ADJETIVO – Usado em perguntas ao lado de um substantivo.
Ex.: Que história é essa? Que dia é hoje?
11- CONJUNÇÃO - Ligando duas orações.
Ex.: Chovia que chovia sem parar. (e – coordenativa aditiva)
Venha, que eu espero. (porque – coordenativa explicativa).
Outro, que não eu, irá à reunião. (mas - coordenativa adversativa)
Ele afirma que não voltará mais. (subordinativa integrante)
Difícil que fosse o problema, ele o resolveria. (embora – subordinativa concessiva)
Falei tanto que fiquei rouco. (subordinativa consecutiva)
Não podia sair, que estava cansado. (porque – subordinativa causal)
É mais estudioso que o irmão. (subordinativa comparativa)
Não passa uma hora sem que me aborreças. (subordinativa condicional)
Tudo farei para que voltes. (subordinativa final)
Todos saíram antes que ele chegasse. (subordinativa temporal)

B-FUNÇÕES SINTÁTICAS
São as funções que a palavra exerce em relação às outras dentro da frase. Somente ocorrem quando a palavra QUE for, morfologicamente, um pronome relativo.

* Quando o QUE estiver sozinho, isto é, sem preposição antes, ele pode ser:

1 - SUJEITO - a palavra que ele substitui seria o sujeito.
Ex.: Prenderam os homens / que roubaram o banco. ( QUE = os homens)
2 - PREDICATIVO DO SUJEITO – a palavra que ele substitui seria o predicativo.
Ex.: Mortais / que somos,/ devemos temer a Deus. (QUE = mortais)
3 - OBJETO DIRETO – a palavra que ele substitui seria o objeto direto.
Ex.: A polícia levou o homem/ que prendeu ontem. (QUE = o homem)

* Quando o QUE estiver acompanhado de preposições (de, em, a, por, para...), ele pode ser:
1 - OBJETO INDIRETO – a palavra que ele substitui seria o objeto indireto.
Ex.: Assisti ontem à peça / de que tanto falaste, ( DE QUE = da peça)
2 - COMPLEMENTO NOMINAL - a palavra que ele substitui seria complemento nominal.
Ex.: O trabalho / a que ele era dedicado/ foi reconhecido. (A QUE = ao trabalho)
3 - ADJUNTO ADVERBIAL – a palavra que ele substitui seria adjunto adverbial.

Ex.: A doença / de que morreu / era gravíssima. (DE QUE = da doença)

terça-feira, 30 de agosto de 2016

ATIVIDADE DE INTERPRETAÇÃO PARA SER FEITA EM CASA

ATIVIDADE DE INTERPRETAÇÃO PARA SER FEITA EM CASA
1 - Leia este aviso, comum em vários lugares públicos:
SORRIA, VOCÊ ESTÁ SENDO FILMADO! (O DESENHO ERA UM EMOTION SORRINDO)
  
a) As pessoas que não gostam de ser filmadas prefeririam uma mensagem que dissesse o contrário. Para atender a essas pessoas, reescreva o aviso, usando a primeira pessoa do plural e fazendo as modificações necessárias. 
b) Criou-se, recentemente, a palavra “gerundismo”, para designar o uso abusivo do gerúndio. Na sua opinião, esse tipo de desvio ocorre no aviso acima? Explique.            
2  - Leia com atenção o seguinte texto: 
A onipresença do olho mágico da televisão no centro da vida doméstica dos brasileiros, com o poder (imaginário) de tudo mostrar e tudo ver que os espectadores lhe atribuem, vem provocando curiosas alterações nas relações entre o público e o privado. Durante pelo menos dois séculos, o bom gosto burguês nos ensinou que algumas coisas não se dizem, não se mostram e não se fazem em público. Essas mesmas coisas, até então reservadas ao espaço da privacidade, hoje ocupam o centro da cena televisiva. Não que o bom gosto burguês deva ser tomado como referência indiscutível da ética que regula a vida em qualquer sociedade. Mas a inversão de padrões que pareciam tão convenientemente estabelecidos nos países do Ocidente dá o que pensar. No mínimo, podemos concluir que a burguesia do terceiro milênio já não é a mesma que ditou o bom comportamento dos dois séculos passados. No máximo, supõe-se que os fundamentos do contrato que ordenava a vida social entre os séculos XIX e XX estão profundamente abalados, e já vivemos, sem nos dar conta, em uma sociedade pós-burguesa, num sentido semelhante ao do que chamamos uma sociedade pós-moderna. 
Maria R. Kehl, in Bucci e Kehl, Videologias: ensaios sobre televisão. 
a) O que a autora do texto quer dizer, quando se refere ao “poder de tudo mostrar e tudo ver” (L. 2), atribuído à televisão, como “imaginário”? 
b) Indique a palavra do primeiro período que tem o mesmo significado do prefixo que entra na formação da palavra “onipresença” (L. 1). 
c) Indique uma palavra ou expressão do texto que corresponda ao sentido da palavra “ética” (L. 7).  


3 - Leia a seguinte mensagem publicitária, referente a carros, e responda ao que se pede:  
POTÊNCIA, ROBUSTEZ E TRAÇÃO 4WD. PORQUE TEM LUGARES QUE SÓ COM ESPÍRITO DE AVENTURA VOCÊ NÃO CHEGA.  
a) A mensagem está redigida de acordo com a norma padrão da língua escrita? Se você julga que sim, justifique; se acha que não, reescreva o texto, adaptando-o à referida norma. 
b) Se a palavra “só” fosse excluída do texto, o sentido seria alterado? Justifique sua resposta.  

4 - “Dos púlpitos dessa igreja, o padre Antônio Vieira pronunciara com sua voz de fogo os sermões mais célebres de sua carreira”, escreveu Jorge Amado, protestando [contra o projeto de demolição da igreja da Sé]. Conta Jorge que correu na época [decênio de 1930] a notícia de que o arcebispo embolsou gorjeta grande para permitir que a Companhia Linha Circular de Carris da Bahia abatesse o templo. Não há provas do suborno, é certo, mas o fato é que o arcebispo, em documento assinado por ele mesmo, deu a sua “inteira aquiescência” à obra destrutiva. A irritação anticlerical de Jorge Amado subiu então ao ponto de ele fazer o elogio dos “índios patriotas” que, nos primeiros dias coloniais, haviam realizado uma “experiência culinária” com o bispo Sardinha. Acrescentando ainda que, naquela década de 1930, baiano já não gostava de bispo nem como alimento. 
Antonio Risério, Uma história da cidade da Bahia. Adaptado.  
a) As expressões “inteira aquiescência” e “índios patriotas”, citadas no texto, procedem, ambas, da mesma fonte (autor que utilizou tais expressões)? Justifique sua resposta. 
b) Tendo em vista o contexto, é correto afirmar que a expressão “experiência culinária” é usada com sentido irônico? 

5 - Leia o seguinte texto:  
Pense antes de compartilhar  Cada vez mais pessoas interagem por meio de redes sociais. O crescimento dessas comunidades reforça uma das principais discussões relativas à internet: a privacidade. 
Época, 15/04/2011.  
a) Qual a razão apresentada por essa matéria jornalística para aconselhar seus leitores a “pensar antes de compartilhar”?  b) No verbete “privacidade”, do Dicionário Houaiss da língua portuguesa, lê-se:  trata-se de ang. de empréstimo recente na língua, sugerindo-se em seu lugar o uso de ................ . Por que o dicionário sugere que se evite o uso de “privacidade”? Que palavra pode ser usada em seu lugar?         
6   Leia este texto: 
A correção da língua é um artificialismo, continuei episcopalmente. O natural é a incorreção. Note que a gramática só se atreve a meter o bico quando escrevemos. Quando falamos, afasta-se para longe, de orelhas murchas. Monteiro Lobato, Prefácios e entrevistas. 
a) Tendo em vista a opinião do autor do texto, pode-se concluir corretamente que a língua falada é desprovida de regras? Explique sucintamente. 

b) Entre a palavra “episcopalmente” e as expressões “meter o bico” e “de orelhas murchas”, dá-se um contraste de variedades linguísticas. Substitua as expressões coloquiais, que aí aparecem, por outras equivalentes, que pertençam à variedade padrão.     

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

EXERCÍCIOS SOBRE A FUNÇÃO DO SE – 3º TRIMESTRE – 2016

EXERCÍCIOS SOBRE A FUNÇÃO DO SE – 3º TRIMESTRE – 2016

1 - Classifique a partícula se nos períodos abaixo:
- Consertam-se bicicletas.
- Trabalha-se muito aqui.
- Os convidados foram-se embora ao amanhecer.
- Se ela não vier, teremos muito trabalho.
- Não sei se ele voltará hoje para casa

2 - Relacione a primeira coluna com a segunda.
(  ) Conjunção Subordinativa
(  ) Pronome Reflexivo.
(  ) Pronome Apassivador
(  ) Índice de Indeterminação do Sujeito.
(  ) Partícula Expletiva ou de Realce
(  ) Solange considerou-se culpada.
(  ) Precisa-se de operários especializados.
(  ) Nunca se sabe se ele vai chegar cedo ou não.
(  ) A plateia riu-se das piadas do apresentador.
(  ) Ali ainda se viam grandes florestas.

3 - No período "O irmão deixou-se envolver por más companhias”, o se é classificado como:
a) Conjunção Subordinativa
b) Pronome Reflexivo.
c) Pronome Apassivador
d) Índice de Indeterminação do Sujeito.
e) Partícula Expletiva ou de Realce

4 - No período "Conseguiremos lugar, se chegarmos cedo ao teatro", o se é classificado como:
a) Conjunção Subordinativa
b) Pronome Reflexivo.
c) Pronome Apassivador
d) Índice de Indeterminação do Sujeito.
e) Partícula Expletiva ou de Realce

5 - No período "A mulher arrependeu-se do que fez", o se é classificado como:
a) Conjunção Subordinativa
b) Pronome Reflexivo.
c) Parte Integrante do verbo.
d) Pronome Apassivador
e) Partícula Expletiva ou de Realce

6 - Assinale a opção em que “se” funciona como índice de indeterminação do sujeito:
a) Se Tereza não for à festa, também não irei.
b) A criança machucou-se na bicicleta.
c) Trata-se do primeiro e último fundo no Brasil (Revista Veja)
d) Ele impôs-se uma disciplina rigorosa.
e) “Ergueu-se, passou a toalha no rosto” (Lygia Fagundes Teles)

7 - Classifique as funções da palavra “se” nas frases a seguir, numerando, convenientemente, os parênteses:
1 - Partícula apassivadora.
2 - Índice de indeterminação do sujeito.
3 - Partícula de realce.
4 - Partícula integrante do verbo.
5 - Conjunção subordinativa.
(     ) “Ela quer saber se eu me sinto realizado”. (Drummond)
(     ) “Acabou-se a confiança no próximo”. (Drummond)
(     ) Suicidou-se, pulando no fim da tarde de um prédio de 10 andares.
(     ) Precisa-se de operários.
(     ) “Sentia-se o cheiro da panela no fogo, chiando de toucinho no braseiro”. (José Lins do Rego)
A sequência correta é:
a) 4-3-5-2-1
b) 5-3-2-4-1
c) 4-5-2-1-3
d) 5-3-4-2-1
e) 5-3-2-1-4

8 - Assinale a opção onde “se” exerce a função de índice de indeterminação do sujeito:
a) Gosta-se muito de doces por aqui.
b) Comprou-se um novo prédio para a loja.
c) Emprestou-se o dinheiro ao professor.
d) Deixou-se sentar na soleira da porta.
e) As roupas, os varais, tudo isso se foi, levado pela correnteza.

9 - Em todas as orações abaixo, a palavra “se” aparece como pronome reflexivo, exceto em:
a) Os namorados beijavam-se calorosamente.
b) Mãe e filha queriam-se muito.
c) Suicidou-se numa noite de verão.
d) Era-se feliz na fazenda.
e) Cortou-se a pobre menina nos arames farpados.

10 - Considerando como conjunção integrante aquela que inicia uma oração subordinada substantiva, indique em qual das opções nenhum se tem esta função:
a) "Se subiu, ninguém sabe, ninguém viu".
b) Comenta-se que ele se feria de propósito.
c) Se vai ou fica é o que eu gostaria de saber.
d) Saberia me dizer se ele já se foi?
e) Ela queria saber se você foi ao cinema.

11 -"O medíocre lutador se deu ares de campeão". O pronome se, nesta oração, é:
a) pronome apassivador
b) partícula expletiva
c) pronome indeterminador do sujeito
d) objeto direto
e) objeto indireto

12 - "Uma lagartixa passou correndo à sua frente e sumiu-se por entre as macegas." A palavra se é:
a) pronome reflexivo e objeto direto;
b) pronome reflexivo recíproco e objeto direto;
c) partícula de realce - sem função sintática;
d) pronome pessoal oblíquo e objeto direto;
e) pronome apassivador.

13 - Assinale a alternativa em que a partícula destacada não é expletiva:
a) Vendo-a ir-se, sentiu a alegria voltar à alma.
b) Ao ver a cena, tornou a rir-se interiormente.
c) A moça sorriu-se melancolicamente.
d) Todos se foram embora.
e) Comia-se muito pão e biscoitos.

14 - Em: "Almerinda fechou-se no seu quarto", o pronome se exerce a função de:
a) sujeito
b) objeto indireto
c) objeto direto
d) partícula apassivadora
e) índice de indeterminação do sujeito.

15 - Observe a frase de Clarice Lispector: "Sabe-se também que sem falar eles se pediam". As duas partículas destacadas classificam-se, respectivamente como:
a) índice de indeterminação do sujeito; pronome apassivador;
b) pronome apassivador; pronome reflexivo recíproco - objeto direto;
c) pronome apassivador; pronome apassivador;
d) índice de indeterminação do sujeito; pronome reflexivo recíproco - objeto indireto;
e) pronome apassivador; índice de indeterminação do sujeito.

16 - Em uma das alternativas abaixo, o se é partícula apassivadora. Assinale-a:
a) Eles se queixaram ao diretor.
b) Ele se foi para nunca mais voltar.
c) Descansa-se à noite.
d) Não se conheciam as razões.
e) Tirarás boa nota, se estudares.

17 - Assinale a opção em que o pronome se é partícula apassivadora:
a) Confia-se nos resultados.
b) Esperam-se os resultados.
c) Precisa-se de resultados.
d) Tratava-se de resultados.
e) Vive-se de resultados.

18 - No período: "Não se fazem automóveis como antigamente", a palavra se é:
a) partícula apassivadora
b) índice de indeterminação do sujeito
c) pronome interrogativo
d) conjunção subordinativa integrante
e) partícula expletiva

19 - Aponte a alternativa em que o se é índice de indeterminação do sujeito:
a) Trabalha-se dia e noite.
b) Pedro atirou-se na piscina.
c) Ela sempre se faz de boba.
d) Ele julga-se um grande sábio.
e) Consertam-se eletrodomésticos.

20 - Assinale a opção em que “se” funciona como índice de indeterminação do sujeito:
a) Se Tereza não for à festa, também não irei.
b) A criança machucou-se na bicicleta.
c) Trata-se do primeiro e último fundo no Brasil (Revista Veja)
d) Ele impôs-se uma disciplina rigorosa.
e) “Ergueu-se, passou a toalha no rosto” (Lygia Fagundes Teles)

21- Classifique as funções da palavra “se” nas frases a seguir, numerando, convenientemente, os parênteses:
1-Partícula apassivadora.
2-Índice de indeterminação do sujeito.
3-Partícula de realce.
4-Partícula integrante do verbo.
5- Conjunção subordinativa.

(     ) “Ela quer saber se eu me sinto realizado”. (Drummond)
(     ) “Acabou-se a confiança no próximo”. (Drummond)
(     ) Suicidou-se, pulando no fim da tarde de um prédio de 10 andares.
(     ) Precisa-se de operários.
(     ) “Sentia-se o cheiro da panela no fogo, chiando de toucinho no braseiro”. (José Lins do Rego)
A sequência correta é:
a)           4-3-5-2-1
b)           5-3-2-4-1
c)           4-5-2-1-3
d)          5-3-4-2-1
e)           5-3-2-1-4
22 - Assinale a opção onde “se” exerce a função de índice de indeterminação do sujeito:
a) Gosta-se muito de doces por aqui.
b) Comprou-se um novo prédio para a loja.
c) Emprestou-se o dinheiro ao professor.
d) Deixou-se sentar na soleira da porta.
e) As roupas, os varais, tudo isso se foi, levado pela correnteza.

23 - (SANTA CASA) A palavra "se" é conjunção integrante (por introduzir oração subordinada substantiva objetiva direta) em qual das orações seguintes?
a) Ele se mordia de ciúmes pelo patrão.
b) A Federação arroga-se o direito de cancelar o jogo.
c) O aluno fez-se passar por doutor.
d) Precisa-se de operários.
e) Não sei se o vinho está bom.

24 - (FUMARC – 2011) “Se dependesse de mim, haveria até mesmo descontos para a compra de livros e banda larga de internet”. A palavra destacada exprime a circunstância de:
a) Explicação
b) Concessão
c) Oposição
d) Condição
e) Reflexivo

25 - (FUMARC – 2011 com adaptações) Atente para o emprego da palavra SE, bastante frequente na crônica. Indicou-se corretamente sua função, exceto em:
a) “Outrora, falava-se em realidade, análise da realidade, inserir-se na realidade, conhecer a realidade.” (=indeterminador do sujeito)
b) “Não adianta ser um superexecutivo se não se consegue se relacionar com as pessoas. (= conjunção condicional)
c) “...mostravam-se preocupados, ansiosos e, na lanchonete, comiam mais do que deviam.” (=pronome reflexivo)
d) “Pode-se fazer sexo virtual pela internet: não se pega aids, não há envolvimento emocional, controla-se no mouse.” (=conjunção integrante)
e) “Meus pais se amam profundamente.” (=pronome reflexivo recíproco)

26 - (FUMARC – 2011) Assinale a alternativa que fez a correspondência ADEQUADA entre o “se” e a sua respectiva função:
a) Não têm dificuldade de se integrar. (partícula integrante do verbo)
b) Exibem-se vídeos de anúncios e programas (pronome reflexivo)
c) E são só admitidos se, além da competência, comungam os princípios.(conjunção coordenativa)
d) Trata-se de unir teoria e prática. (partícula de realce ou expletiva)
e) A garota penteou-se no espelho (pronome pessoal recíproco)

27 - (UFPR) – Qual é a função do se em “Não sei se ela vem”?
a) conjunção subordinativa condicional.
b) conjunção subordinativa integrante.
c) partícula expletiva (de realce).
d) pronome pessoal.
e) conjunção subordinativa concessiva.

28 - (FAAP – SP) – Assinale a frase na qual o se não é pronome apassivador e nem índice de indeterminação do sujeito:
a) Estudou-se este assunto.
b) Ela se suicidou ontem.
d) Aos inimigos não se estima.
e) Fizeram-se reformas na casa.

29 – Classifique as orações de acordo com o código:
a – Conjunção subordinativa integrante
b – Conjunção subordinativa condicional
c – Partícula apassivadora
d – Pronome reflexivo
e – Partícula integrante do verbo

(   ) A maioria dos alunos se queixaram do professor.
(   ) Irei à festa, se você resolver acompanhar-me.
(   ) Jamais soube se isto era mesmo verdade.
(   ) Alugam-se apartamentos para temporada.
(   ) Ela se atrapalhou durante a explicação.

30 - Analise a posição ocupada pelo pronome oblíquo “se”:
"Aqui dança-se, canta-se, fala-se

E bebe-se incessantemente" (...)Manuel Bandeira